CultArt realiza atividades na semana da Luta Antimanicomial

O Centro de Convivência e Cultura- CultArt movimentou a semana que antecedeu o Dia da Luta Antimanicomial, comemorado em 18 de maio. Palestras, apresentações, debates e a participação em ações da comunidade fizeram parte da programação.

A data marca a transformação dos serviços psiquiátricos derivada de processos políticos que enfatizaram o direito à liberdade, ao convívio em sociedade, além do direto de receber cuidado e tratamento sem que para isto tenham que abrir mão de seu lugar de cidadãos. A reforma psiquiátrica, iniciada no final da década de 70, reforçou a cidadania e a reabilitação psicossocial como direito de todos.

Por isso, para abordar o percurso histórico e os reflexos da luta na atualidade, na segunda-feira (13/05), durante a tarde, oficinas repercutiram a Reforma Psiquiátrica. Dinâmicas propuseram a verbalização do tema, manifestando aquilo que seria mais significativo para cada participante. Na sequência, as expressões se transformaram em um varal lúdico de palavras, frases e poemas. Já na terça-feira (14/05), um encontro com as psicólogas da Vila Verde, Kíssila Teixeira e Thaís Acácio, debateu o tema “Saúde Mental: histórico, desafios e perspectivas”.

O audiovisual também esteve presente na semana. Na quarta-feira (15/05), o CultArt recebeu a cineasta Karina Orquidea que apresentou seu documentário “Lugar de quê?”. O projeto, que promove o diálogo sobre a Luta Antimanicomial, traz depoimentos dos usuários da Rede de Saúde Mental de Juiz de Fora. Os participantes são convidados a responderem sobre os seus lugares no mundo. A narrativa expõe questões como pertencimento, identidade e territorialidade. Após a exibição, Karina abriu espaço para o debate.

O CultArt e a Associação Bromélias também participaram de atividades promovidas pela Prefeitura Municipal de Juiz de Fora, como apresentação de dança, coral e café filosófico, além do famoso campeonato de futebol, onde a Associação Bromélias conquistou o 1º lugar.

Unidade em Campos dos Goytacazes RJ recebe a visita de médicos e psicólogos da região

Com o objeto de apresentar as instalações e o trabalho realizado na Unidades Campos dos Goytacazes RJ aos profissionais da região, o corpo clínico organizou uma recepção na última quinta-feira (16/05/2019). Inaugurada em outubro de 2018, a Vila Verde oferece atendimento especializado, de segunda à sexta, das 8h às 17h, para as pessoas com transtornos mentais e/ou problemas com álcool e outras drogas.

A partir de um projeto terapêutico individualizado, são oferecidos atendimentos médico psiquiátrico e psicológico, diversas atividades como educação física, arteterapia e grupos de reflexão e atendimento interdisciplinar, onde os profissionais envolvidos buscam, juntos, chegar às melhores formas de tratamento para cada caso. A estrutura conta ainda com diversos ambientes como salas de atividades, consultórios, refeitório, espaços de interação ao ar livre e muita comodidade. Isso permite que todo o tratamento, alinhado aos princípios do Ministério da Saúde, priorize a promoção da qualidade de vida.

Para a médica psiquiatra da unidade, Dr. Lana Maria, poder apresentar o trabalho para os colegas da área estimula parcerias com foco no tratamento das pessoas que procuram o serviço. “Por isso, cada vez mais, queremos informar aos profissionais da área que estamos de portas abertas para que, juntos, possamos empenhar nossos esforços em um objetivo comum: ‘o atendimento humanizado e de excelência’”.

O corpo clínico da Vila Verde Campos RJ é formado pelos médicos psiquiatras Dr Claudio Rodrigues Teixeira; Dr Gabriel Pessanha Gimenes Escocard; Dr Gabriela Ferreira Dal Molin; Dr Mauricio Lobo Escocard e a Dr Lana Maria Pereira da Silva.

Unidade Campos dos Goytacazes (RJ)

Avenida Alberto Torres, 382 – Centro.

(22) 3026-4848

contato.campos@vilaverdejf.com.br

 

 

Vila Verde promove curso de interpretação do Manual ONA

A Vila Verde recebeu a instrutora da DNV GL – International Healthcare Accreditation, Luiza Diniz Palhares, para ministrar o curso “Interpretação do Manual da ONA 2018”. Na segunda (13/05) e terça (14/05), Luiza esteve reunida com sócios, diretores, assessoras responsáveis pelo sistema de qualidade da Vila Verde, gerentes e lideranças.  O curso teve 16h de duração e a presença de 25 profissionais, que receberão o certificado de participação emitido pela DNV GL.

O treinamento, que ocorreu no auditório Silvio de Oliveira, na Unidade Internação, teve como objetivo a apresentação e interpretação dos requisitos do Manual Brasileiro de Acreditação – Organizações Prestadoras de Serviços de Saúde (ONA) 2018. A programação apresentou o vocabulário do manual, os processos de avaliação e discutiu a aplicabilidade dos requisitos no contexto da Vila Verde.

A DNV GL é líder mundial em certificação. O curso compõe a preparação da Vila Verde que passará pelo processo de acreditação hospitalar. Esse diagnóstico avalia a qualidade da assistência prestada nas instituições de saúde, certificando aquelas que possuem as melhores práticas. Essa certificação é dividida em 3 níveis: acreditado, acreditado pleno e acreditado com excelência.

Segundo Luiza, a conquista da acreditação vai além da certificação. “O selo ONA e sua consequente avaliação periódica estimula a manutenção dos processos de melhoria de qualidade, verificando resultados como a garantia de segurança aos clientes e profissionais, a maior eficiência no atendimento e o desenvolvimento contínuo dos colaboradores, dentre outros”.

 

Nota de falecimento: médico psiquiatra Silvio de Oliveira

A Vila Verde Saúde Mental comunica, com pesar, o falecimento do médico psiquiatra Silvio de Oliveira, hoje, 27 de dezembro de 2018, aos 76 anos.

Silvio se formou em medicina pela UFJF em 1967. Especialista em Psiquiatria, pela Associação Brasileira de Psiquiatria, também foi professor de Psiquiatria e Psicologia Médica da Faculdade de Medicina da UFJF.

Em 1990 fundou a Clínica Psiquiátrica Vila Verde, no bairro Borboleta. Hoje, a Vila Verde Saúde Mental se expandiu para uma rede de serviços de psiquiatria com quatro unidades assistenciais e quatro Residências Terapêuticas, em Juiz de Fora, e uma unidade em Campos dos Goytacazes (RJ).

Além do cuidado médico, Silvio sempre esteve envolvido com o ensino e pesquisa em Psiquiatria e, em outubro deste ano, conduziu o credenciamento para o Programa de Residência Médica em Psiquiatria na Vila Verde, aprovado em dezembro deste ano pelo Ministério da Educação (MEC).

O corpo será velado amanhã, sexta-feira, 28 de dezembro, a partir das 8h, na Capela 3 do Cemitério Parque da Saudade e a cremação, reservada aos familiares, está marcada para as 12h do mesmo dia.

Festa de final de ano reúne equipes da Vila Verde

Para celebrar mais um ano de muito trabalho, no sábado, 15 de dezembro, os colaboradores da Vila Verde participaram da comemoração de final de ano na Casa Fest, em Juiz de Fora. O objetivo foi agradecer às equipes pelo empenho e dedicação ao longo de 2018, que culminaram em grandes conquistas alcançadas pela rede de serviços Vila Verde. Música, sorteio de brindes e um vídeo, que reuniu depoimentos de clientes das unidades Vila Verde, com agradecimentos a toda a equipe, animaram a noite.

Em 2017, a Vila Verde contava com 160 colaboradores atuando nas unidades Internação; Hospital-Dia; CultArt – Centro de Convivência e Cultura; nas duas Residências Terapêuticas e na Unidade Colucci. Durante o ano de 2018, a Vila Verde abriu mais duas Residências Terapêuticas e inaugurou mais uma unidade, em Campos dos Goytacazes (RJ), em parceria com renomados profissionais da região. Hoje, a rede de serviços conta com 220 profissionais que ofertam, em diversas áreas, tratamentos em saúde mental e álcool e outras drogas.

Ao iniciar os agradecimentos, o diretor clínico, Dr. Renato Lobo, falou sobre as conquistas de 2018 e os novos desafios para 2019. “Com o trabalho em equipe e a dedicação de todos, estamos, a cada dia, percebendo os resultados do nosso trabalho. Agora, temos que pleitear certificações que possam comprovar nossa excelência em saúde mental e nossa maturidade institucional, fruto do comprometimento de todos”.

Na sequência, Dr Arnaldo Cotrim Heringer, médico psiquiatra e sócio da Vila Verde, também manifestou sua gratidão aos colaboradores. “No início da Vila Verde já fizemos pequenas confraternizações, com poucas pessoas. Hoje, estamos reunidos aqui com muitas pessoas que trabalham em uma rede integrada de serviços, que muito me honra”.

Para fechar os discursos, o diretor administrativo, Dr Glauco Corrêa, agradeceu a presença de todos e convidou os participantes para uma homenagem ao médico psiquiatra e fundador da Vila Verde, Dr Silvio de Oliveira, que não pôde comparecer ao evento por questões de saúde. “Nessa noite vamos agradecer ao Dr Silvio de Oliveira que muito se empenhou para chegarmos onde estamos hoje. Por isso, ‘VIVA SILVIO’ e te aguardamos para novas conquistas em 2019”.

Terapeuta da Vila Verde participa de Ação Social e fala sobre o impacto do uso de drogas na família

No sábado, 15 de dezembro, o terapeuta em transtornos decorrentes do uso de álcool e drogas da Vila Verde, Gustavo Rodrigo, participou da Ação Social realizada na Casa de Oração no bairro São Benedito. Com o tema “Drogas e Família”, Gustavo abordou questões que mostram como a atuação de um usuário de drogas e álcool pode afetar as atividades diárias e o psicológico dos familiares.

A dinâmica familiar é o sistema mais próximo da pessoa que está enfrentando dificuldades com as drogas. Por isso, o consumo de drogas pode ser discutido a partir do papel que a família terá no tratamento sendo que, em muitos casos, essa família pode estar tão doente quanto o seu membro usuário de drogas. “A família precisa observar a visão que tem sobre si, onde muitas vezes transita entre vítima a coparticipante ou culpada a corresponsável. Tudo depende de como ela trata o doente e como ela se vê nessa situação”, alertou Gustavo.

Um ponto crítico é saber quando buscar o tratamento para o familiar doente e para si. Em alguns casos, a situação é tão alarmante que é necessário uma internação involuntária. Esta, entretanto, sempre deverá ser precedida por termo de solicitação do familiar ou responsável legal. “O tratamento involuntário é difícil para a família, mas, em muitos casos, o doente não tem condições de responder pelos seus atos, por estar muito envolvido com as drogas. Por isso, esta ação será sempre o último recurso, mas muitas internações involuntárias podem até salvar vidas”.

Ao abrir espaço para perguntas e reflexões, um dos temas que vieram à tona foi a mudança de hábitos, necessária para aqueles que querem de livrar das drogas. “Quando uma pessoa começa a se distanciar das drogas, precisa também se distanciar de alguns ambientes que até então frequentava. No início, ela pode sentir falta e achar que está perdendo diversão e amizades. Mas, novas amizades e novas alegrias chegam junto com uma nova vida. O prazer é a gente quem constrói, desde que possamos observar com outro olhar aquilo que até então não poderia ser visto pela inércia que a droga pode causar”.

Vila Verde realiza 1º Workshop Estratégico

Na última quinta e sexta, 22 e 23 de novembro, coordenadores, gerentes e direção da Vila Verde se reuniram no Hotel Green Hill, em Juiz de Fora, para o 1º Workshop Estratégico.

O encontro, com dinâmicas participativas, foi organizado pelas assessoras de qualidade da Vila Verde, Liliane Oliveira de Carvalho e Aline Diniz e a RHeserva Consultoria. Propondo reflexões que alinham a atuação da Vila Verde ao cenário atual de saúde mental, o objetivo foi traçar, junto à equipe, o planejamento estratégico para 2019.

O evento estabeleceu as diretrizes para o próximo ano tendo como foco a melhoria dos resultados assistenciais. Para isso, foram identificados os desafios e as expectativas da Vila Verde. Todo o trabalho foi norteado pela identidade da rede de serviços, ressaltando valores como ética, humanização, inovação, excelência, sustentabilidade e valorização das pessoas.

Segundo Liliane, o workshop dá início a três etapas de trabalho. “A sequência abarca a organização das estratégias, a implantação das ações traçadas nesse encontro e a análise crítica da alta direção”. Além disso, ressaltou Liliane, “pensar em novos planos de ações através do diagnóstico de oportunidades pode proporcionar melhorias para toda a rede Vila Verde”.

Ao finalizar, Aline destacou que o aproveitamento da equipe foi excelente. “Juntos, apresentamos novos caminhos a serem percorridos para fortalecermos a estratégia da Vila Verde. E, todos aqui estão engajados no processo, com senso de equipe muito forte. Por isso, esse é o pensamento que precisa conduzir as ações, sempre com o foco voltado para a qualidade do atendimento ao cliente e, consequentemente, retorno para toda a equipe”.

Colaboradores fecham ciclo de capacitação sobre o Serviço de Residência Terapêutica

Durante sete meses, de maio a novembro deste ano, todas as unidades da Vila Verde, em Juiz de Fora, participaram da capacitação direcionada ao Serviço de Residência Terapêutica. Divididos em duas turmas, os colaboradores se encontraram uma vez ao mês, as sextas ou aos sábados, no Centro de Convivência e Cultura – CultArt. Conteúdos teóricos, dinâmicas, atividades em grupo e materiais audiovisuais fizeram parte da programação.

Os módulos foram conduzidos pela psicóloga e coordenadora de Saúde Mental de Barbacena, Flávia Denise Barbosa Vasques e a assistente social e coordenadora do Serviço de Residências Terapêuticas em Barbacena, Leandra Mara de Vilhena Melo Vidal. O objetivo foi estimular a interação entre as equipes das quatro residências terapêuticas e as demais unidades, ressaltando a importância da atuação interdisciplinar em saúde mental.

Por isso, temas como os gostos e hábitos de cada morador, o contato com a família e a interlocução entre as equipes foram abordados nos encontros. Segundo Leandra, com as manifestações durante as atividades fica claro que a união dos saberes e, principalmente, a sensibilidade para as singularidades norteiam o trabalho nas residências. “Compreendemos que como profissionais das residências terapêuticas precisamos nos adaptar ao morador e não o morador ao serviço” ressaltou.

Para Flávia, ao conhecer as experiências e as expectativas dos colaboradores podemos reafirmar que o trabalho nas residências terapêuticas é cuidadoso e peculiar. “Durante os módulos ficou claro que a atuação em saúde mental, muitas vezes, apresenta desafios. No entanto, percebemos que as dificuldades podem e devem ser combatidas com técnica e trabalho em conjunto”.

Os participantes que tiveram presença em mais de 70% dos encontros receberão certificado de participação.

Arraiá no CultArt comemora um ano de funcionamento da unidade

Foi com muita diversão que o Centro de Convivência e Cultura CultArt, inaugurado em 31 de julho de 2017, celebrou seu aniversário. Na última sexta-feira, 27 de julho, o “Arraiá do CultArt” marcou um ano de funcionamento da unidade, reunindo clientes e seus familiares além de colaboradores da Vila Verde.

Forrós e baiões, típicos dos festejos juninos, embalaram a tarde. A comemoração contou ainda com comidas típicas como pipoca, arroz doce, cachorro-quente, canjica doce e salgada, refrigerante e diversos bolos e doces. Os participantes puderam, também, fotografar no cantinho das fotos, elaborando montagens com molduras juninas.

Todos os ambientes da unidade foram decorados com bandeirinhas coloridas e balões.  E, as brincadeiras como pescaria, bingo e jogo de latas foram as atrações da festa. Já a apresentação da quadrilha foi o ponto alto do festejo, fechando a tarde com chave de ouro.

CultArt recebe cerca de 50 pessoas por dia

Com um ano de funcionamento, hoje o CultArt recebe média de 50 pessoas por dia. Vinculada ao Hospital-Dia Saúde Mental e ao Hospital-Dia Álcool e outras Drogas, da rede de serviços Vila Verde, a unidade oferece uma grade variada de atividades de segunda à sexta, das 8h às 17h.  É, também, no CultArt que a Associação Bromélias, criada em 2012 por clientes da Vila Verde e seus familiares, tem o seu espaço.

Juntas, Vila Verde e Associação Bromélias, promovem ambientes que fomentam as produções artísticas, utilizando aparatos oriundos tanto das artes visuais e da literatura, como dos dispositivos tecnológicos. Assim, o CultArt tem como objetivo estimular as trocas de saberes, a autonomia e a cidadania, incentivando a construção de ambientes humanizados e acolhedores.

O Centro de Convivência e Cultura CultArt está localizado na Rua Machado Sobrinho, nº186, Bairro Alto dos Passos. Para mais informações ligue (32)3235 2288.

CultArt e Associação Bromélias movimentaram a Semana da Luta Antimanicomial

O Dia Nacional da Luta Antimanicomial, comemorado em 18 de maio, é o símbolo da reforma psiquiátrica e da mudança no modelo de cuidado para as pessoas com transtornos mentais no país. O movimento surgiu em 1987, na cidade de Bauru/SP, durante o II Encontro Nacional dos Trabalhadores de Saúde Mental. Desde então, as instituição vinculadas à Saúde Mental promovem eventos com o objetivo de marcar a data.

E, para lembrar o movimento, entre os dias 14 e 18 de maio, o Centro de Convivência e Cultura CultArt e a Associação Bromélias estiveram envolvidos em diversas ações. Na segunda-feira, 14 de maio, clientes e seus familiares, profissionais da Vila Verde e membros da Associação Bromélias participaram, na Praça do Bairro Bom Pastor, em Juiz de Fora, de atividades esportivas como caminhada, alongamento e aula de dança. Ao final, foi oferecido um piquenique e distribuídos, para as pessoas que passavam pela praça, marcadores de livros com mensagens sobre a Luta Antimanicomial.

Já na terça-feira, 15 de maio, o CultArt abriu espaço para o 3º Prosa e Saber com o tema “Reforma Psiquiátrica – Relatos e Vivências”. O encontro contou com a participação dos psicólogos Carlos Meirelles e Ricardo Gomes Sabino, que abordaram momentos históricos da Reforma Psiquiátrica e as mudanças que o movimento antimanicomial promoveu em Juiz de Fora e região. A mesa redonda trouxe, também, a narrativa de clientes da Vila Verde com relatos de vivências em outras instituições de saúde mental.

Ainda durante a semana, o CultArt, a Associação Bromélias e clientes da Vila Verde participaram de atividades promovidas pela Prefeitura de Juiz de Fora, como apresentações culturais e o campeonato de futsal.