Terapeuta da Vila Verde participa de Ação Social e fala sobre o impacto do uso de drogas na família

No sábado, 15 de dezembro, o terapeuta em transtornos decorrentes do uso de álcool e drogas da Vila Verde, Gustavo Rodrigo, participou da Ação Social realizada na Casa de Oração no bairro São Benedito. Com o tema “Drogas e Família”, Gustavo abordou questões que mostram como a atuação de um usuário de drogas e álcool pode afetar as atividades diárias e o psicológico dos familiares.

A dinâmica familiar é o sistema mais próximo da pessoa que está enfrentando dificuldades com as drogas. Por isso, o consumo de drogas pode ser discutido a partir do papel que a família terá no tratamento sendo que, em muitos casos, essa família pode estar tão doente quanto o seu membro usuário de drogas. “A família precisa observar a visão que tem sobre si, onde muitas vezes transita entre vítima a coparticipante ou culpada a corresponsável. Tudo depende de como ela trata o doente e como ela se vê nessa situação”, alertou Gustavo.

Um ponto crítico é saber quando buscar o tratamento para o familiar doente e para si. Em alguns casos, a situação é tão alarmante que é necessário uma internação involuntária. Esta, entretanto, sempre deverá ser precedida por termo de solicitação do familiar ou responsável legal. “O tratamento involuntário é difícil para a família, mas, em muitos casos, o doente não tem condições de responder pelos seus atos, por estar muito envolvido com as drogas. Por isso, esta ação será sempre o último recurso, mas muitas internações involuntárias podem até salvar vidas”.

Ao abrir espaço para perguntas e reflexões, um dos temas que vieram à tona foi a mudança de hábitos, necessária para aqueles que querem de livrar das drogas. “Quando uma pessoa começa a se distanciar das drogas, precisa também se distanciar de alguns ambientes que até então frequentava. No início, ela pode sentir falta e achar que está perdendo diversão e amizades. Mas, novas amizades e novas alegrias chegam junto com uma nova vida. O prazer é a gente quem constrói, desde que possamos observar com outro olhar aquilo que até então não poderia ser visto pela inércia que a droga pode causar”.